Páginas

sábado, 8 de janeiro de 2011

Contexto histórico de Tito e a Lei



Por David Shem Tov

Data em que o Evento se passa

Provavelmente estamos em meados de 66 EC. Nesse período alguns judeus em Israel já começaram uma guerra contra o Império Romano que resultará na invasão de Jerusalém e a destruição do Templo em 70 EC.
Nessa época, qualquer judeu já era mau visto por Roma, portanto havia uma necessidade de demonstrar uma diferença circunstancial dos demais judeus.

Como sabemos, os Nazarenos não se envolveram nessa Guerra contra Roma, e assim posteriormente (depois de 135 EC, época da segunda revolta), ficaram conhecidos como traidores.

Talvez isso nos ajude a compreender o porquê Sha'ul instrui no Capítulo 3 sobre a prontidão de cooperar com o governo de uma forma honrosa, com obediência, sem serem insubordinados. Longe da forma tradicionalmente compreendida, de que devemos honra ao Governo.

O que Sha'ul estava falando era que não deviam se envolver em brigas contra o governo.

Motivo da Carta

Sha'ul havia recebido alguma notícia de que Titus estava com problemas na Congregação. Titus havia sido enviado a Creta, afim de ajudar Sha'ul num empreendimento que estava deixando todos os discípulos apreensivos.

Após a morte de Yaakov HaTzadik em 63 EC, houve uma debandagem muito grande de discípulos, que se desviaram dos ensinamentos, corrompidos pela ganância, de serem líderes. Segundo Sha'ul:

 “A razão de tê-lo deixado em Creta foi para que você pudesse se dedicar aos assuntos ainda não resolvidos e indicar líderes congregacionais em cada cidade...” (1:5).
O problema com lideranças gananciosas e dominadoras por meio de força e pressões psicológicas já estavam em alta nessa época (1:7ss). A preocupação de Sha'ul era que o Ensinamento fosse passado de forma metodologicamente correta:

 “Você deve sustentar com firmeza a Mensagem Verdadeira de acordo com o Ensinamento; para que mediante o Ensino Correto, seja capaz de exortar, encorajar e também refutar quem se opõe a ela.” (1:9).
Nessa época já existiam pelo menos 3 facções, ou divisões que haviam partido do desvirtuamento dos Nazarenos. Todas elas estão bem encubadas, mas em breve vão buscar o título para si de “Verdadeiras” de forma separada. A primeira era a dos Ebionitas, que é chamada nessa carta de “os da circuncisão”.

Segundo Sha'ul eles não eram judeus de nascimento (Gl 2:15, mas ver o contexto inteiro), haviam sido forçados à circuncisão, e forçavam a circuncisão como meio de salvação (ver Atos 15:1ss). Eles se opunham a Sha'ul, chamando-o de “apóstata”, e por não compreenderem os seus escritos os distorciam (2 Pe 3:15,16).

A segunda eram os Cristãos, que surgiram na cidade de Antioquia. Esses abandonaram a Torah e ostentavam para si, o serem o “Verdadeiro Israel”. E segundo Jerônimo no IV séc. EC:

 “Os judeus insistem em uma interpretação literal das Escrituras... mas nós sabemos que a interpretação espiritual é muito superior”.

E a terceira era o Gnosticismo Cristão que surgiu em Alexandria.

Sha'ul trata diretamente dos “da circuncisão”, Ebionitas, pois eles eram os mais ferrenhos opositores de Sha'ul. E o conselho de Sha'ul a Titus é o seguinte:

 “Por esse motivo, você deve ser SEVERO ao repreender quem seguiu o falso ensinamento deles, para que voltem a ter confiança no que é sadio e não dêem mais atenção aos mitos judaicos ou aos mandamentos de homens que rejeitam a VERDADE”.
Para entender que Sha'ul está aqui dizendo que ao seguirem mandamentos humanos, e mitos, coisas inventadas, na realidade estão recusando ou rejeitando a própria Verdade, é preciso entender que Sha'ul lança mão da Torah, que é identificada com a Verdade (Sl 119:142 e Jo 17:17).

As instruções

Sha'ul dá a instrução correta de como a liderança deveria ser selecionada. Como deveria ser a conduta de cada pessoa em referência à Comunidade (Ver capítulos 1 e 2). Instrui também a Titus a se impor como convém, não deixando que ninguém o despreza-se só pelo fato de ser mais jovem que os demais (2:15).

O ponto Máximo da Mensagem

Sem palavras eu quero citar o próprio texto da Carta:

 “... A Graça de Elohim, que traz liberdade, apareceu a todo ser humano. Ela nos ensina a renunciar à impiedade e aos prazeres mundanos e a viver de maneira controlada, justa e piedosa nesta era, enquanto aguardamos o cumprimento da nossa esperança infalível: o aparecimento da Shekhiná do nosso Grande Elohim e Libertador Yeshua, o Messias.
Ele se entregou por nós a fim de nos libertar de toda a violação da Torah e purificar para si mesmo um povo particularmente seu, desejoso de praticar o que é bom. É isso que você deve ensinar...”. (2:11-15)
Confiram que Sha'ul lança mão do “Drash” (Ver estudo sobre Hermenêutica Judaica do Torah Viva), para dizer que o Eterno quer um povo separado, “uma propriedade exclusiva”, como a Torah especifica que deve ser o povo de YHWH, e depois cita por meio de Drash também buscando a semelhança das palavras. O que é Bom segundo a citação??? Confira (Pv 4:2)! Onde é feito um drash com a palavra “Tov”, (Bom). No Talmud Babilônico é feita a mesma analogia (Berachot 5A).

Últimos Conselhos

Os últimos conselhos são os mais interessantes! Sha'ul dá instrução a não ficar debatendo questões referentes à Halachot, ou seja, discussões inúteis referentes à Torah. Sabemos que os Nazarenos tinham uma forma diferente de ver a Halachá. Sha'ul deixa claro também que discutir méritos, ou superioridade por causa de genealogias não levaria a lugar algum (3:9).

Sha'ul aconselhou que uma pessoa que seja advertida por duas vezes e permaneça no erro de interpretar incorretamente as Escrituras, deve ser largadas de mão, testificando em si mesma que está pervertida (3:10, 11).

Sha'ul conclui a carta dizendo que estava para enviar para Creta Ártemas ou Tíquico, para substituir a Titus por um tempo até que o próprio Titus venha conversar com ele (Sha'ul) pessoalmente (3:12). Foi ordenado também que Titus não só ajudasse, mas recebesse bem dois reforços para a Comunidade, Zenas e Apolo, descritos como especialistas na Torah (3:13).

E por fim Sha'ul diz:

 “Que o nosso povo aprenda a se dedicar à prática de Boas Obras, que verdadeiramente suprem necessidades, e assim não fiquem improdutivos.” (3:14).
Shalom a todos!!!

Nenhum comentário: